GUIA JAPÃO - O sistema escolar japonês constitui-se,basicamente, de seis anos de shoogakkoo e três  de chuugakkoo (equivalente são Ensino Fundamental no Brasil), três anos de kookoo (EnsinoMédio) e quatro anos de curso superior.

Todos os japoneses devem concluir os nove anos de estudo–  primário (de 6 a 12 anos) e ginasial (de 12 a 15 anos). Nessa fase não há sistema de reprovação, a criança passa de uma série para outra automaticamente. Para ingressar em escolas de ensino médio e superior, osalunos devem prestar uma espécie de vestibular.

Existem cursos pré-escolares (jardim de infância ou maternal), profissionalizantes e escolas especiais destinadas a deficientes. Há as escolas públicas (divididas em nacionais, provinciais e municipais), as particulares – a maioria das escolas de ensino fundamental e médio é pública –e as internacionais.

O ano letivo inicia em abril e termina em março do ano seguinte. As férias prolongadas são de verão, de inverno e da primavera.

Na estatística do governo japonês, separada por nacionalidade, as crianças brasileiras ainda aparecem como a maior população dentro das escolas japonesas (do shoogakko até okookoo),seguidas das chinesas. Por isso, nas escolas onde há um número considerável de alunos brasileiros há sempre um intérprete ou auxiliar para ajudar as crianças a compreenderem o idioma e realizar reforço.

No Japão, há creches (hoikuen) públicas eparticulares. Para matricular o filho em uma creche pública (kooritsuhoikuen), é necessário provar que tanto a mãe como o pai trabalham, ou que haja problema que impeça os pais de cuidarem do filho em casa, como doença, por exemplo.

A mensalidade das creches públicas varia de acordo com arenda familiar. Se for alta, o preço pode ser igual ao de uma creche privada(pode variar de ¥15 mil a ¥50 mil). Por outro lado, há a possibilidade de isenção de pagamento, caso os pais tenham muitos filhos e a renda for insuficiente para mantê-los.

A matrícula, que deve ser feita na prefeitura, ocorre em dezembro e janeiro, mas, se houver vagas, há creches que aceitam crianças fora de época. Exige-se que os pais apresentem comprovante de trabalho, de renda e de pagamento de imposto. As creches públicas têm horários fixos e não aceitam cuidar de crianças fora do horário determinado.

Há creches particulares (minkan hoikuen)autorizadas pelo governo e as não autorizadas. As primeiras recebem subsídios,mas cobram mensalidade, e o procedimento para matrícula é semelhante ao dascreches públicas. Para as não autorizadas, não há requisitos ou período de matrícula. As mensalidades variam de ¥50 mil a ¥80 mil.

A maioria das creches privadas aceita cuidar de criançasem horários prolongados (algumas funcionam 24 horas), mediante pagamento detaxa extra.

A idade de admissão varia de acordo com a creche, mas muitas aceitam bebês a partir de dois meses de idade. Já as creches públicas nem sempre aceitam recém-nascidos. Existem creches em tempo parcial, para paisque trabalham meio período, ou em regime temporário (alguns dias por semana).

Os jardins de infância (yoochien), que também são divididos em públicos e particulares, aceitam crianças entre 3 e 5 anos de idade. A matrícula para as instituições públicas deve ser feita na Secretaria da Educação (kyooiku iinkai) do município, geralmente em outubro.

As mensalidades variam de acordo com a cidade, podendo ir de ¥10 mil a ¥40 mil. As particulares têm suas próprias datas de matrícula e cobram mensalidades mais altas.

Shoogakkoo e Chuugakkoo

Para o ingresso no shoogakkoo (crianças com 6 anos completos), a Secretaria da Educação (kyooiku iinkai) da prefeitura envia comunicado quando a criança estiver para completar idade escolar. Os estrangeiros não são obrigados a enviar os filhos à escola, mas deverão ser atendidos mediante solicitação.

A criança que já frequentava o Ensino Fundamental noBrasil e quiser ingressar em escola japonesa, deve efetuar os trâmites para admissão na Secretaria da Educação da cidade.

Seráentregueocomunicadodematrícula,eo estudante e seu responsável devem se dirigir à escola determinada pela prefeitura. As crianças que completarem o shoogakkoo podem ingressar automaticamente no chuugakkoo. A escola é determinada conforme o local em que a família reside. Sempre que a falta às aulas for inevitável, os pais devem justificar a ausência da criança entregando o aviso ao líder do grupo escolar (tsugakuhan) ou telefonando para a escola. Mesmo procedimento deve ser adotado em caso de atraso.